CARLSON

Passengers
Passengers

Há algum tempo que queria fazer referência a um amigo de longa data que é artista autodidacta com muito valor. Ele aliás já figura nos links deste blogue desde que iniciei este projecto. Peter Carlson tem uma história curiosa de vida e é um apaixonado por histórias. Pelas histórias das pessoas comuns, pelas histórias do nosso imaginário enquanto humanidade. Passou pelo Porto há uns anos atrás, no seu primeiro ano totalmente ligado à pintura. Trabalhou arduamente e cresceu. Mas podemos dizer que desde o início da sua carreira, os seus quadros evidenciavam algo perturbante e consequente. A mestria da sua arte tem vindo a ganhar outros contornos e novas formas de expressão que extravasam a pintura.

Sopa
Sopa

Vejam o seu site e apercebam-se das influências literárias e cinematográficas na coloção das questões próximas do nosso dia-a-dia, da realidade intercultural americana, das suas tensões e da resistência na vida, por mais difícil e pouco solarenga que ela seja. Experimentem algum vazio na senda de um outro pintor americano de referência para o Peter, falo claro de Edward Hopper. Vejam a preocupação sociológica das fotografias de um Lewis Hine na sua arte. Vejam a influência existencialista de um Camus em O Estrangeiro, na negação participativa da personagem nos acontecimentos, que ultrapassam a sua vontade, à margem da sua vontade, que parece não existir, ofuscada por um sol estonteante.

Mas Carlson não fica por aqui, revê-se ainda num futuro apocalíptico, onde a guerra arrasa a vida na terra e os homens jogam um jogo sem regras e destructivo. A série Garbage World remete-nos para tentativas de sobrevivência da Humanidade num outro tempo e evidencia essa destruição, essa linguagem que vem dos textos de ficção científica ao gosto de Ray Bradbury e em algumas histórias do Homem Ilustrado. Esta série e outras estão incluídas num novo site dedicado aos jogos. Em palavras do Peter:

And we are the most free when we are playing games. When games work well, it is sharing a story. Whatever rules we agree to for a game, they are just the most fundamental structure for whose turn it is. I like a world where everyone gets a turn.

Peter vive de momento em Philadelphia, está conctável através dos seus sites. Não deixem de visitá-lo e de lhe falar porque como irão perceber é um homem que gosta genuinamente da partilha. Um mundo em que toda a gente tem uma palavra, é um mundo em que Carlson gostaria de viver.

 

Anúncios